“Veronika Decide Morrer” (2009)

6 agosto 2009

Veja o trailer no Youtube:

“Aos 28 anos / Veronika tinha tudo / Exceto a vontade de seguir em frente.”

“Ela nunca esperava encontrar essa vontade”

“Com apenas dias de vida”

” – Você realmente vai morrer?”

“V: – Eu te disse”

“Música: Durma, meu bem, enquanto eu me desfaço / E vou agarrar-me a mim quando você tiver terminado”

Eu confesso. Tenho um preconceito enorme por Paulo Coelho e nem mesmo sei a razão. Deve ser porque o cara ficou muito bem sucedido, e eu como todo bom brasileiro preciso ter inveja dele. Coisa feia, não? Complexo de viralatas, a gente só gosta de quem não consegue ficar famoso, dos undergrounds, dos sofredores.

Bom, vai que hoje o Tuíter caiu (mais sobre isso daqui a pouco) e me vi às voltas com o Youtube. De repente vi que minha amiga Amanda tinha favoritado esse trailer. Já tinha seguido as discussões ferrenhas sobre a Sarah Michelle Gellar sendo a Veronika, porque ninguém imaginava ela desse jeito, et al.

Mas assistindo ao trailer em inglês, eu fiquei curioso pra ver o filme. Talvez seja uma parte boa de não ler os livros, que eu possa ir ao cinema sem praguejar depois porque o diretor não colocou o “Tom Bombadil”, ou algum outro personagem igualmente impossível de se passar pras telas.

Acho que por mais que a “Buffy” Michelle Gellar seja normalmente tosca e sem expressão, o pouco que vi nesse trailer já significa mais do que o conjunto da obra dela. Vou dar uma chance a ela, e principalmente a Paulo Coelho. Mas não vou ler os livros, tenho muita coisa pra ler do meu Trabalho de Conclusão de Curso 😉

E depois que eu formar, muita ficção científica. Quem sabe se ele fizer uma, posso arriscar a ler.


Dublando Fernanda Young

2 abril 2009

Vocês já viram a nova propaganda da Nextel? Se não, veja:

Não sei se vocês sabem, mas eu não sou exatamente um fã de Fernanda Young. Portanto, eu vi essa propaganda com os piores olhos possíveis. Eu gostaria de oferecer uma redublagem, mas como não consigo mais baixar vídeos do Youtube, farei a legenda de como eu escuto o que ela diz. Em negrito, ela. Em itálico, o que ela realmente diz.

Comecei a escrever, antes mesmo de aprender a escrever.

Quando era pequena, eu fazia triângulos e círculos e tentava fazer as pessoas lerem.

Eu tinha dislexia e criava meus poemas mentalmente.

Gostava de fazer rimas que nunca rimavam, e trocando o R pelo L. Dizia que eram poemas.

Páginas e páginas, só na minha cabeça.

Eu inventava livros inteiros de poesia, mas só eu que podia ler. Tudo inventado.

Aí eu aprendi a escrever, pintei o cabelo de rosa e fui expulsa do colégio.

Então eu finalmente me entendi com o lápis, quis fazer uma demonstração de rebeldia infantil e as freiras não gostaram muito.

Hoje, eu tenho 8 livros publicados,

Hoje eu escrevi um monte de merda,

Três filmes,

Três lixos patrocinados pela lei Rouanet,

Peças de teatro,

Idiotas que me acham o máximo mandando pessoas fingirem que atuam,

5 séries de TV,

Sai de Baixo, Os Normais e outras merdas,

Três filhas.

Três seres humanos pra perpetuar meus genes ruins.

Pra quem pensava em se matar aos dezessete,

Eu devia ter me matado aos dezessete,

até que tá legal, né?

e poupado vocês dessa vergonha alheia de propaganda pseudovideoarte.

Essa é minha vida, esse é meu clube.

Eu ainda criei esse slogan barato, que eles a-do-ra-ram!

Nextel é inteligente, ilimitado e pode ser pra você. Acesse!

Agora é o local em que eu tento grudar a marca em minhas supostas qualidades. Compre, idiota!

Fim.

P.S.: Quinta-feira seria dia de cinema, mas bem, são imagens em movimento, não é? Quinta-feira é Cinema & Vídeo, então!

P.S.2: Se alguma boa alma resolver dublar isso, se colocar um crédito eu aceito.

P.S.3: Passei a odiar Fernanda Young depois do início de “Muito gelo e dois dedos de água”, quando a personagem de Mariana Ximenes, ainda em animação, dá uma ataque de “eu sou foda” e nos deixa ver a verdadeira face da roteirista. Nada pessoal.


%d blogueiros gostam disto: